quinta-feira , 22 de fevereiro de 2018
Home / Como Viver Melhor / Muito próximo: Medição de glicose sem picadas de agulha

Muito próximo: Medição de glicose sem picadas de agulha

Picar o dedo diariamente é um gesto, muitas vezes doloroso, que faz parte da rotina de muitos doentes com diabetes. Porém, um grupo de investigadores do Instituto Fraunhofer desenvolveu um biossensor que poderá alterar esta realidade ao ser capaz de medir os níveis de glicose através do suor ou das lágrimas, avança o portal Boas Notícias.

05_03_diabetes

um pequeno “chip” que combina medição e análise digital e pode ser ligado a um dispositivo móvel. De acordo com comunicado do instituto, a inovação poderá fazer com que, brevemente, os diabéticos possam deixar de parte a única alternativa disponível até ao momento que, além de ser “uma agonia” para os pacientes mais sensíveis, pode causar inflamações e problemas na pele.

O novo biossensor, incorporado no organismo do paciente, efectua as medições necessárias por meio do suor ou das lágrimas, graças a uma reação electroquímica activada com o auxílio de uma enzima, o que permite a o cálculo exato e contínuo dos níveis de glicose. Além disso, adiantam os investigadores, tem dimensões minúsculas (0.5 por 2.0 milímetros) e consome muito menos energia do que outros dispositivos idênticos anteriores, escreve o Boas Notícias.

“O biossensor até tem um conversor de sinal analógico para digital, que converte os sinais electroquímicos para dados digitais”, explica Tom Zimmermann, do Fraunhofer. Depois, o aparelho transmite essas informações através de um sistema sem fios, fazendo-as chegar, por exemplo, ao telemóvel do paciente, e mantendo-o sempre em alerta.

Segundo os seus criadores, estas técnicas de medição não-invasivas poderão tornar-se a alternativa mais comum no futuro. Além disso, antevêem, o “biochip” poderá vir a controlar até outro dispositivo que, com base nos valores da glicose, indicará a quantidade exacta de insulina que deve ser administrada, livrando, para sempre, os diabéticos

Veja Também

Febre Amarela

Segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde, desde dezembro de 2016, o Brasil vive …

Um Comentário

  1. Gostaria de saber quando estará disponível no Brasil escuto nem que seja aproximado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *